Mauro Serapioni

Mauro Serapioni

Universidade de Coimbra (Portugal)

    Mauro Serapioni é doutor em Sociologia pela Universidade de Barcelona (2003). Desde 2009, é pesquisador sénior do Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra (Portugal) e professor do programa de doutoramento em "Democracia no Século XXI" do CES e da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (Portugal). Atualmente, é professor visitante no Curso de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Suas principais áreas de pesquisa incluem participação social nos sistemas de saúde, desigualdades sociais de saúde e avaliação de programas sociais e de saúde. É autor de inúmeras publicações em periódicos nacionais e internacionais nessas áreas.

    Participação Social (PS) nas Políticas Públicas (PP)

    Inovações democráticas que envolvem os cidadãos estão sendo implementadas em diferentes campos das políticas públicas: saúde, educação, meio ambiente, assistência social, ordenamento do território e planeamento urbano. Os benefícios da participação social (PE) são universalmente reconhecidos: melhora a qualidade das decisões, aprofunda a democracia, fortalece a voz dos grupos vulneráveis e reduz as desigualdades sociais. No entanto, a SP mostrou alguns aspetos críticos: complexidade da representação, autonomia e independência insuficientes dos participantes, assimetria de poder e conhecimento entre os diferentes atores, pouca efetividade. Investigar e avaliar PE implica abordar três dimensões: representatividade e inclusão; qualidade do processo deliberativo; eficácia e influência. A pesquisa qualitativa é, portanto, fundamental: capta representações, motivações, barreiras, críticas. Outro tema de pesquisa é compreender os pontos fortes e fracos da participação virtual. Desde 2015, o Sistema Nacional de Atenção está operando no Uruguai, ativando ações setoriais com forte envolvimento de organizações sociais vinculadas à atenção. O Projeto “Integrar o Tecido Local de Atenção ao Plano Nacional” mostrou que a mudança de governo retardou esse processo e, por outro lado, possibilitou a articulação de grupos não acadêmicos com atividades de Educação Permanente. Outros estudos com foco na Investigação-Ação-Participativa (IAP) realizados no Uruguai permitiram afirmar que a dialética entre saberes leigos e especialistas no campo da saúde tem possibilitado ações efetivas no campo da PS. A IAP levou ao uso de software aplicado à investigação qualitativa. A manutenção de dispositivos de reflexividade permite que a tecnologia não seja um fim em si mesma, mas sim um instrumento para facilitar a IAP.

    Ver as sessões de Mauro Serapioni

    Sexta-feira 15 de Julho, 2021
    12:55 - 14:10

    Sessão Plenária 4

    UDC e Online

    'Participação Social (PS) nas Políticas Públicas (PP)'